Sexta-feira, 21 de Janeiro de 2011

"Meu rio, minha paixão"

 

 

 

 

Dedico este meu poema a um "valoroso pescador" do rio Douro em Lordelo do Ouro, com o propósito de muito à minha maneira lhe mostrar a admiração que sinto por ele. Homem determinado, destemido e corajoso; desde tenra idade vive apaixonado por este pequeno recanto ribeirinho, nas fainas árduas, muito pesadas e arriscadas deste tão famoso rio, cheio de contradições e riscos permanentes.
De seu nome "Matos", mais conhecido por Manuel Luís, sabedor de artes de pesca artesanal, poucos serão aqueles que se podem vangloriar de estarem à sua  altura, transmitindo aos seus filhos os seus valores e conhecimentos. É um lutador pelo amor à arte, um apaixonado por este lindíssimo e amado rio, que ao longo da sua vida tem dado tudo para que tal arte não se perca ao longo dos tempos, seguindo as tradições dos seu antepassados. É um homem que transpõe barreiras, digo eu barreiras; pelo simples facto de neste momento o seu estado de saúde estar mais fragilizado e mesmo assim não pára com a sua actividade.Também admiro a sua memória. Pois, lembra-se de muitas e longas histórias, peripécias divertidas e outras menos divertidas.
Eu chamo-lhe sábio. Dentro da sua área é um autêntico furacão de sabedoria. Sabe se o rio está ou não favorável à captura de peixe, sabe ler no horizonte o estado do tempo que se irá fazer sentir no dia seguinte. Há uma frase dele que não me canso de a repetir e que é muito simples: "astros vermelheiros, ou grandes ventos ou grandes chuveiros". Ensinou-me a ler na linha do horizonte as previsões meteorológicas do dia seguinte; não falha.
Falar deste "Homem" é falar de alguém muito simples, com capacidades humanas cheias de valores pouco comuns.

    

 

     Meu rio, minha paixão

 

Orgulho-me de ser quem sou
velho pescador deste rio
daqui não sei para onde vou
de há tantos anos a fio.

 

Este rio é o meu lar
a casa onde ganho meu pão
nasci e vivo para o amar
até à última exaustão.

 

Batem as tuas ondas ao de leve
no barco das minhas ambições
tenho no peito a febre
de seguir tão dignas tradições.

 

Levanto-me ao raiar da aurora
para na faina lutar
num instante e sem demora
cá estou eu a trabalhar.

 

Já contei tempestades e tormentos
a conta já muito a perdi
foram tantos os acontecimentos
foi para isto que eu nasci.

 

De sol a sol valente e destemido
neste rio que me viu nascer
se nele não ficar perdido
só o deixo quando morrer.

                

                  ArtCar
 

 

           
Aproveito neste meu poema, escrito com amor e dedicação, para manifestar a admiração que tenho por todos estes homens que lutam arduamente arriscando na faina, as suas próprias vidas.

                 

 

 

publicado por Artur Cardoso às 19:08
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Casimiro Matos a 23 de Janeiro de 2011 às 22:03
gostei muito desta sua homenagem ao meu querido Pai, pois nós somos aquilo pelo qual somos lembrados e o meu caro Amigo juntamente com o Manuel Luís , cujo o destino juntou, pervalecerá na memória de todos aqueles que vos Amam. Um abraço deste seu sempre Amigo Casimiro Matos.
De Artur Cardoso a 23 de Janeiro de 2011 às 23:37
Meu amigo sr. Casimiro!..
Como sabe, nunca é demais falar de um amigo que se estima e considera, é o caso do seu pai.
Penso que, muito à minha maneira, estas minhas modestas palavras, são bem merecidas para quem é tão meu amigo.
Um abraço de amizade,
ArtCar

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Nesta Noite de Luar!

. Um corre-corre!

. Como os poetas que cantam...

. Misterioso Tocante!

. Recordando... Inocentes s...

. Do meu jardim!

. Gosto do teu sorriso!

. Algo me dizia!

. Cada vez que olho a lua!

. A Poesia e a Alma do Poet...

.arquivos

. Agosto 2019

. Março 2019

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Agosto 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub