Sábado, 18 de Maio de 2013

"O prazer da pesca"

 

 

 

         “O prazer da pesca”

 

 

 

Aqui está um bom exemplo de viver

sem seus próprios meios de locomoção

roda lesto pelo cais em busca do peixe,

a pesca lúdica é um desporto de lazer

calmante do stresse e alivia o coração

mas para trás que ninguém o deixe.

 

 

De cana na mão e anzol iscado ao mar

sente felicidade pelos seus desígnios

e fica à espera pela sua própria sorte,

aprendeu tal como os outros a pescar

embora restringido aos seus domínios

é exímio pescador desportivo e forte.

 

 

Dá gosto e é perfeito líder a pescar

 embora de sua notada deficiência

e animado pelo prazer desportivo,

corajoso e efectivamente de louvar

pela sua calma e virtuosa paciência

o prazer da pesca é o seu motivo.

 

 

Cada um pescador é como cada qual

uns mais limitados e outros normais

este porém em cadeira de locomoção,

sereno pescador simpático e normal

um grande exemplo para outros tais

que se encontram na mesma situação.

 

 

Favorável desporto para uma vida salutar

ao ar livre e em comunhão de liberdade

ser-se pescador assim! são muito poucos,

entre os mais e outros tantos feliz a reinar

é certamente pescador com veracidade

e porém pesca tal e qual como os outros.

 

 

Admirável homem de cortesia entre todos

corajoso e destemido pescador valente,

de bom trato, afável e de boas maneiras,

extremamente educado e com bons modos

verdade que pesca por limite e deficiência

mas é um exímio pescador das palmeiras.

 

 

As frondosas palmeiras da foz do douro

no cais de convívio aprazível e acolhedor

lugar feiticeiro e mágico de rara beleza,

pelos pescadores é eterno e duradouro

é de toda a gente e de qualquer pescador

que tenha prazer dentro de sua natureza.

 

         ArtCar

 

 (Poema de minha autoria que dedico com muito respeito e carinho a todos os deficientes do mundo e em especial a todos os pescadores

  lúdicos e desportivos).

publicado por Artur Cardoso às 13:29
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 16 de Maio de 2013

"A benevolência alheia"

 

 

 

 

 

 

       “A benevolência alheia”

 

 

 

Procuram entre vertentes o seu destino

esgravatam divididos pelos seus ideais

lamentam pela sua triste desventura,

só mesmo por um milagre divino

serão alcançados seus esforços aos quais

como recompensa de sua procura.

 

 

Ficam desamparados na encruzilhada

pelos muitos receios que se lamentam

pela desmedida regra da preocupação,

a lei da força e da sorte na sina traçada

pelos propósitos que não os contentam

nos dissimulados caminhos da ambição.

 

 

Fogem amofinados desta difícil aflição

como o indefeso das garras da rapina

são tantas criaturas e pobres mortais,

esperam um sinal para casual solução

e qualquer coisa sob regra e disciplina

prósperos acontecimentos eventuais.

 

 

E aos poucos vão partindo indefesos

entregues aos seus próprios destinos

os filhos da terra que lhes deu o ser,

na benevolência alheia ficam presos

ainda muito jovens e quase meninos

sempre aparece quem lhes dá afazer.

 

 

Já tenho o meu olhar muito cansado

a fonte das lágrimas também secou

vejo o mundo a definir-se combalido,

pobrezinho aquele que não é amado

como flor abandonada que definhou

num canteiro ao desprezo esquecido.

 

     ArtCar

 

(Poema de minha autoria que dedico com muito amor e carinho a todos quantos procuram a sua sorte pelos caminhos do desconhecido).

publicado por Artur Cardoso às 09:37
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 11 de Maio de 2013

"Fosse eu poeta"

 

 

 

 

            “Fosse eu Poeta”

 

 

 

Por favor meu amor, não me chames poeta!

apenas brinco com as palavras convenientes

e com a simplicidade da minha existência,

acredita porém numa coisa bem certa

são sentidas e com tanta singeleza inocentes

ao alcance de toda a minha influência.

 

 

Fosse eu um nobre e verdadeiro poeta!

teria a pertença do mundo na minha mão

ouviria os ecos constantes do teu falar,

serias tu a minha musa e deusa secreta

o pulsar romântico dentro do coração

minha boca falava do teu pensamento.

 

 

Não sou poeta nem tampouco escritor

sou um modesto e humilde escravo teu

que deambula constante no imaginário,

escrevo afectuosas palavras de amor

emprego o dom que Deus me deu

e tiro-as existentes do dicionário.

 

 

Um poeta é um pobre sonhador sábio

desmedido povoador de ideias valiosas

que fertiliza e engrandece a imaginação,

usa palavras sábias de velho alfarrábio

não necessariamente muito pomposas

mas consideráveis com explicação.

 

      ArtCar

 

(Poema de minha autoria dedicado a todos os poetas/poetisas de todo o mundo).

publicado por Artur Cardoso às 00:34
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 9 de Maio de 2013

"O competidor"

 

 

 

 

         “O competidor”

 

 

 

Competição, para mim é emulação!

hostilizar para alcançar,

eu, definitivamente não.

Merecimento de valorização

dá ânimo e aceitação

faz feliz o coração.

 

 

Para mim…. Falo por mim!

assusta-me a competição

tenho medo da hostilidade.

Eu, penso assim!

sinto o cheiro da hostilização

fico-me pela simplicidade.

 

 

A modéstia hostiliza a competição

tal como o evidente competidor

no clamor do contentamento,

só por uma singela emulação

apavora-me de hostil temor

faz suster o meu alento.

 

 

Desculpe o gigante competidor

faça o valor de sua opinião

profira seu ideal constantemente,

mas não compita por favor

dê por mérito alguma aceitação

ao dotado e modesto inteligente.

 

    ArtCar

 

 (Poema de minha autoria dedicado ao competidor ganhador (ou não), sem vaidade).

publicado por Artur Cardoso às 22:26
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 8 de Maio de 2013

"Memórias da minha terra"

 

 

 

“Memórias da minha terra”

 

 

 

Velhas ruas empedradas

do meu burgo ditoso

gastas no passar das temporadas,

tal como memórias castigadas

deste teu filho saudoso

por meu direito reportadas.

 

 

A deambular num só itinerário

à noite a tomar a sua aragem

bebia água fresca da fonte

onde saciava as securas,

aprazível passeio diário

enchia de amor e coragem

ao nascer da lua no horizonte

segredava minhas amarguras.

 

 

Velhas ruas que não mais pisei

de calçadas em paralelos gastos

fonte de água pura e fresca,

faz  tempo que por lá andei

meu deleite de tantos repastos

minha terra amada e pitoresca.

 

 

Terra que tenho na memória

lembra-me meus pais e amigos

embalo da minha juventude,

meu berço de encanto e gloria

foste defesa de tantos perigos

amo-te em toda a plenitude.

 

    ArtCar

 

 (Poema de minha autoria que dedico com muito amor e carinho à terra que me viu nascer (Freixo de Espada à Cinta).

publicado por Artur Cardoso às 15:46
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 7 de Maio de 2013

"A revolta da simplicidade"

 

 

 

“A revolta da simplicidade”

 

 

 

Hoje ouvi um certo galo

a cantar de muito alto

proferir ideias de poleiro,

ouvi-lo até é um regalo

mas fico em sobressalto

por não ser verdadeiro.

 

 

O senhor galo da maldade

que fala de barriga cheia

sem escrúpulos e malicioso,

engana toda a simplicidade

tal como lobo de alcateia

que é astuto e impiedoso.

 

 

Menospreza a singeleza

zomba vil da inocência

caçoa acervo da realidade,

vaia com tal agudeza

e com certa demência

ridiculariza a sua banalidade.

 

 

Os humildes não sabem lidar

com a rude maldade alheia

como com demente estrénuo,

só uma revolta de aniquilar

a maldade que ele ateia

se ignora a quem é ingénuo.

 

 

Revolta-me a arrogância

revolta-me a mentira

revolta-me a maldade,

quem age com petulância

bebe o veneno de sua ira

com a revolta da simplicidade.

 

   ArtCar

 

(Poema de minha autoria).

publicado por Artur Cardoso às 16:12
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 6 de Maio de 2013

"Menino Rebelde"

 

 

 

“Menino Rebelde”

 

 

Não gosta de estudar

diz que é pequenino

engana sua mãe,

passa o tempo a brincar

é esperto e ladino

maroto também.

 

Mente como saco roto

diz asneiras sem pensar

o rebelde franzino,

chamam-lhe maroto

não quer atinar

diz ser pequenino.

 

A mãe leva-o à escola

só para ter a certeza

de caminho vai embora,

logo pousa a sacola

e de sua natureza

arremeda a professora.

 

Rebelde e mentiroso

não gosta de estudar

é terno e brincalhão,

lesto e buliçoso

só gosta de brincar

e tem bom coração.

 

Insulta a professora

pede perdão à mãe

humilde e medroso,

sua escola ignora

estudar também

é menino famoso.

 

Tem ar de inocente

olhar de meiguice

adora as brincadeiras,

está sempre impaciente

é próprio da meninice

a rebeldia e as asneiras.

 

   ArtCar

 

(Poema de minha autoria dedicado a todos os meninos rebeldes, mas de bom coração).

publicado por Artur Cardoso às 17:52
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Nesta Noite de Luar!

. Um corre-corre!

. Como os poetas que cantam...

. Misterioso Tocante!

. Recordando... Inocentes s...

. Do meu jardim!

. Gosto do teu sorriso!

. Algo me dizia!

. Cada vez que olho a lua!

. A Poesia e a Alma do Poet...

.arquivos

. Agosto 2019

. Março 2019

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Agosto 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

blogs SAPO

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub